Antonius Johannes Geesink, conhecido como Anton Geesink, foi o judoca que mudou a forma como os japoneses viam o judô. E, uma vez que o judô viu o seu início no Japão (o país no qual ele foi criado), foi o Japão que o dominava em seus primeiros campeonatos, ou até que Anton Geesink foi dominado exclusivamente esporte.

First champion form the west

Anton Geesink, holandês de nascimento, começou no judô na tenra idade de catorze anos, mas foi só aos dezessete anos que começou a competir internacionalmente.

Sua primeira medalha foi de prata, obtida em sua primeira participação: o Campeonato Europeu de 1951, que venceu no ano seguinte, e que continuou vencendo em diferentes categorias até 1967.

Com sua altura média de quase dois metros de altura (1,98 metros), e com um peso médio em seus melhores tempos de 120 quilos, todos os seus colegas o consideraram em condições físicas muito boas.

Aos vinte e sete anos ele se tornou Campeão Mundial de Judô, tendo o título de 5º Dan, ele conseguiu na classe aberta do Campeonato Mundial de Judô, derrotando o japonês Koji Sone.

Até então, todos os disputados Campeonatos Mundiais haviam sido vencidos pelos japoneses, e o judô não era considerado um esporte olímpico, e não foi até as Olimpíadas de Tóquio de 1964, onde foi incluído como um esporte de exibição.

tokyo 1964

Nessas Olimpíadas Geesink ganhou a admiração e respeito dos japoneses, já que para eles o judô não era um esporte de exibição, mas sim um esporte nacional. Anton foi o ocidental que conseguiu chocar o Japão, nas memoráveis ​​Olimpíadas de 1964, realizadas na cidade de Tóquio.

Isso porque naquele campeonato olímpico, realizado no país de origem do judô, os competidores japoneses foram conquistados com títulos de peso leve, médio e pesado, como esperado, mas a categoria Open, o Anton Geesink derrotou Akio Kaminaga em 23 de outubro no país local, que sempre teve um prestígio maior do que os três anteriores.

Após esta derrota nacional, diante de um espectador público de aproximadamente 15.000 pessoas, Geesink, ganhou muitos seguidores, mas também comentou sobre muitos japoneses que se suicidaram, por tamanha humilhação.

Podemos dizer que, até 2018, o Japão tem dificuldade em assimilar que não recebe todas as medalhas em seu esporte nacional: o judô. E, graças a federações como a coreana, a brasileira ou a francesa, podemos ver uma tabela de medalhas equilibrada.

Mas nos anos que Anton Geesink competiram, e menos de duas décadas ter terminado a Segunda Guerra Mundial, chamada campeões do mundo no judô, foi algo exaltados para o Japão, ser campeões em Judo foi tudo um orgulho nacional, como ninguém os havia espancado antes.

Ter sido campeão do mundo coroado no judô em 1961, aos 27 anos, Geesink, fez um respingo nos olhos dos japoneses, acreditando que o último que poderia levar até o bastão na Olimpíada a ser realizada em casa em 1964, o que nunca aconteceu.

Se tivermos que lembrar de um momento crucial na carreira de Anton Geesink, é o Campeonato Europeu de Judô de 1951 a 1967, onde ele conseguiu ganhar 24 medalhas; e o Campeonato Mundial de Judo de 1956 a 1965, onde ganhou três medalhas.

Em 1967, depois de ter ganho o Campeonato Europeu de Judô, Anton Geesink decidiu se retirar do judo competitivo.

Para o ano de 1987, Anton Geesink foi membro do Comitê Nacional Holandês de Judô e da Assembléia do Comitê Olímpico Internacional.

Como membro da Assembléia do Comitê Olímpico Internacional, que foi proibido pelo Comitê Olímpico Internacional, por suspeita de receber propina, sobre o escândalo que girava em torno da escolha de Salt Lake City, para sediar as Olimpíadas de Inverno de 2002 .

O escândalo de suborno só mereceu uma reprimenda do Comitê Olímpico, e não a expulsão do Comitê Olímpico Internacional, que permaneceu como membro até a data de sua morte.

Anton Geesink, foi um dos poucos judocas a alcançar o grau de faixa preta no décimo dan, sendo reconhecido pela Federação Internacional de Judô, mas não pelo Kōdōkan.

Em 2010, Anton Geesink, foi o único 10ª Dan com reconhecida pela vida FIJ, enquanto reconhecido por Kodokan (escola japonesa de judô mãe) para 2010 foram: Yoshimi Osawa, Ichiro Abe e Toshiro Daigo. Deve-se notar que a Kodokan não concedeu o 10º Dan a ninguém fora do Japão.

Em 27 de agosto de 2010, em sua cidade natal, Utrecht, aos 76 anos, a lenda do judo Anton Geesink faleceu, deixando sua esposa de mais de cinquenta anos de vida: Jans Geesink; e seus filhos: Anton, Willy e sua filha Leni.

Como um fato interessante na cidade natal de Anton Geesink, há uma rua que leva seu nome. E é a rua onde ele viveu até a sua morte.

Related Posts

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esta web utiliza cookies puedes ver aquí la política de cookies. Si continuas navegando estás aceptándola